Com águia de 22 metros, Portela desfila pela natureza

fevereiro 4, 2008

aguia.jpgUma das escolas de samba mais tradicionais e antigas do Rio, a Portela, prometeu fazer do desfile deste ano um “divisor de águas” na madrugada desta segunda-feira, 4. Com o enredo ‘Reconstruindo a Natureza, Recriando a Vida: O Sonho Vira Realidade’, a Portela, que é a única escola que participou de todos os desfiles, pretende quebrar o jejum e ganhar um título, após um desfile cheio de graça e luxo. Apesar da beleza, faltou criatividade e ousadia: as alegorias e fantasias com animais e flores, representando a diversidade da Amazônia, do Pantanal e da Mata Atlântica, não trouxeram inovações.

A escola apresentou carros alegóricos bonitos, fantasias bem acabadas e muitas mulheres daquelas de levantar o Sambódromo (a rainha da bateria, Adriana Bombom, no auge da forma, encabeçava a lista de beldades). Cavalos marinhos, recifes de coral, peixes, borboletas, golfinhos e pingüins apareceram em profusão. Os pontos altos foram o carro que trazia um gorila de dez metros de altura, representando a África e sua exuberância natural, e o que mostrava os efeitos dos abusos cometidos pelo homem: uma alegoria toda marrom, sem vida. Um buraco observado na metade final do desfile, provocado pelo atraso na entrada de um carro, pode prejudicar a escola.

A águia portelense, a maior de todos os tempos, com 22 metros de comprimento e oito de altura, era a narradora do enredo da agremiação, que apostou na força de suas cores. Sem se deixar abalar pela chuva, os integrantes – entre eles ambientalistas e políticos – evoluiram com entusiasmo, batendo no peito na hora de cantar “Eu sou a água, sou a terra, sou o ar/Sou Portela”.

Fundada em 11 de abril de 1923, a Portela já comemorou 21 títulos ao longo de sua história, sendo a campeã do primeiro desfile oficial do carnaval carioca, no ano de 1935. E foi nesse ano que trouxe para a avenida um rústico globo terrestre idealizado por Antônio Caetano, introduzindo, assim, as alegorias nos desfiles. A escola é a maior vencedora do carnaval carioca. O desfile também apresentou a maior águia da história do carnaval carioca: a alegoria que representa a Águia da Portela tem 22 metros de comprimento e carrega dois quilômetros de neon.

A idéia do enredo veio dos apelos de diversos órgãos, que chamam a atenção para a questão ambiental, como o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e a Secretaria do Meio Ambiente do Estado do Rio, apoiadores da escola. A beleza da fauna e flora do Brasil e do mundo foram mostradas e também as novas fontes de energia e soluções que o homem busca pra tentar reconstruir o que o tempo destruiu. Apesar do luxo apresentado na avenida, com carros alegóricos gigantes, a agremiação teve o patrocínio apenas na Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Liesa).

A Portela contou com participações ilustres, como a do ator Antônio Fagundes, que interpreta o personagem Juvenal Antena, da novela Duas Caras da Rede Globo. O desfile da Portela na Avenida Marquês de Sapucaí foi usado também como pano de fundo para uma escola de samba fictícia que integra a trama. Além de Fagundes, brilharam na avenida o ginasta Diego Hipólito, o cantor Zeca Pagodinho, a apresentadora e atriz Adriana Lessa, os atores Maurício Mattar, Paola Oliveira e Débora Nascimento e o cartunista Lan. A rainha da bateria é a ex-paquita Adriana Bombom abrilhantou o desfile.


Para Beltrame, tudo está sob controle na Sapucaí

fevereiro 4, 2008

O secretário de segurança do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, foi ao Sambódromo na madrugada desta segunda-feira, 4, garantir que cariocas e turistas podem aproveitar o carnaval com tranqüilidade. No camarote da Brahma, ele disse que “está tudo bem e sob controle” na Marquês de Sapucaí e nas ruas do Rio.

Aparentando bom humor e tranqüilidade, ele não se recusou a responder perguntas sobre a recente crise entre o governo do Estado e a Polícia Militar. Beltrame disse que decisões sobre novas desonerações de militares, por exemplo, são exclusivas do novo comandante da PM, Gilson Pitta.

Ele comentou também a manifestação realizada na última sexta-feira por policiais que fincaram cruzes na praia de Copacabana, reivindicando melhores salários. Beltrame disse que nenhum manifestante será punido porque o ato não foi de afronta à PM. “Não há problema em manifestações que não afrontam e não agridem, estão lutando com respeito à corporação”, disse.


Beldades internacionais caem no samba no Rio de Janeiro

fevereiro 4, 2008

Três belas estrelas internacionais concentraram as atenções no Camarote da Brahma, no primeiro dia dos desfiles na Marquês de Sapucaí, na madrugada desta segunda-feira, 4. A atriz italiana Monica Belucci foi a primeira a chegar, acompanhada do marido, o ator francês Vicent Cassel. Os dois assistiram a todos os desfiles da noite, com entusiasmo e atenção. Cercada de seguranças, Monica não deu entrevistas e, delicadamente, pedia paciência aos fotógrafos que não a tiraram de foco nem no momento do jantar da estrela.

A atriz foi considerada a mulher mais sexy do mundo em 2004 pelos leitores da revista masculina Maxim’s. Antes, em 2002, Monica Bellucci escandalizou o público do Festival de Cannes, ao participar de uma das cenas mais violentas e realistas de um estupro no cinema, no filme Irreversível.

De calça jeans e camisa da marca da cerveja que patrocina o camarote, a atriz não tirou os olhos dos desfiles das escolas e ensaiou alguns requebros. Mais animado ainda estava Cassel, que dançou muito em sua segunda visita ao camarote, onde esteve, sozinho, no carnaval do ano passado. No réveillon do ano passado, também no Rio, ele avisou que sua escola preferida é a Mangueira.

Outra atriz internacional que também concentrou holofotes no primeiro dia dos desfiles no camarote foi Lucy Liu, cujo filme mais famoso é As Panteras. Simpática com fotógrafos mas distante de entrevistas, ela chegou ao Rio na manhã de domingo, acompanhada de uma assistente, e vai embora nesta segunda-feira.

Outra beldade que agitou o camarote da Brahma, mas do mundo dos esportes, é a tenista russa Anna Kournikova. Ela disse que “amou” os desfiles e, linda, posou generosamente para fotos, concedeu entrevistas e encantou os convidados do camarote.


Mesmo censurada, Viradouro protesta e faz desfile de arrepiar

fevereiro 4, 2008

A proposta da Unidos do Viradouro neste carnaval era colocar a Marquês de Sapucaí de pernas para o alto. A escola vermelha e branca de Niterói, no Grande Rio, fechou o primeiro dia de desfile na avenida e com o enredo “É de Arrepiar”, composto por Paulo César Portugal, Evaldo, Tamiro e Lima de Andrade, contou uma multiplicidade de cenas de arrepiar. Ao final do desfile, que foi emocionante e inovador, a escola protestou contra o veto a um carro alegórico que retratava o Holocausto.

A idéia de retratar o arrepio surgiu quando o carnavalesco Paulo Ramos estava pesquisando sobre cabelo e surgiu a palavra arrepiar. A partir daí, ele começou a imaginar o que poderia ser feito com o arrepio. Na avenida, a escola cantou sensações que provocam arrepio no homem, como o frio, o toque, as artes, com a ajuda de oito alegorias.

Antes mesmo de o carnaval começar, a escola de Niterói causou polêmica. A questão foi um carro que se referia às vítimas do Holocausto. Depois de provocar muita controvérsia, o carro foi desmontado pela escola e proibido de ser exibido na Marquês de Sapucaí durante o desfile, pela Justiça. A decisão foi tomada pela juíza Juliana Kalichszteim em resposta a um pedido da Federação Israelita do Estado do Rio de Janeiro (Fierj).

Barros é conhecido pela audácia, criatividade e capacidade de causar polêmica. Um outro exemplo dessas características aconteceu no carnaval de 2007, quando deslocou a bateria da agremiação para cima de um carro alegórico. A bateria da escola, que no ano passado roubou a cena, também teve uma pitada de originalidade. À frente do coração da escola há cinco carnavais, a atriz Juliana Paes foi levantada como um troféu pelos integrantes da bateria. Além de Juliana, a escola teve para a avenida a maratonista Fernanda Keller, a cantora Beth Carvalho e os atores Paulo Gustavo e Marcos Oliveira.


Mangueira e Viradouro fecham 1ª noite com empolgação

fevereiro 4, 2008

O primeiro dia de desfiles do Grupo Especial do Rio de Janeiro, no sambódromo da Marquês de Sapucaí, começou pouco animado e foi crescendo à medida em que a noite foi chegando ao fim. Mangueira e Unidos do Viradouro, as duas últimas escolas da noite a se apresentar, fecharam o dia entrando para a lista de fortes favoritas na disputa pelo título deste ano. Portela também fez uma apresentação luxuosa e deve seguir de perto as duas agremiações.

A proposta da Viradouro era colocar a Marquês de Sapucaí de pernas para o alto. A escola vermelha e branca de Niterói, no Grande Rio, fechou o primeiro dia de desfile na avenida e com o enredo “É de Arrepiar”, composto por Paulo César Portugal, Evaldo, Tamiro e Lima de Andrade, e cantou uma multiplicidade de cenas de arrepiar. Ao final do desfile, que foi emocionante e inovador, a escola protestou contra o veto a um carro alegórico que retratava o Holocausto.

Os mais de 3 mil componentes da Mangueira parecem ter ouvido a convocação da presidente da escola, Eli Gonçalves, a Chininha. A agremiação, que esteve nos últimos meses sob a mira da Polícia Civil, sob a acusação de envolvimento de diretores com o tráfico de drogas, fez desfile competente, que empolgou o público. Com um carnaval luxuoso, fantasias e alegorias bem acabadas, a Verde-e-Rosa chamou a atenção com o carro Dragões de Momo, cujos dragões soltavam fumaça e havia efeitos de bolhas de sabão. O carnavalesco Max Lopes surpreendeu, desfilando no carro Maracatu. O nome dele não estava entre os de destaques anunciados pela escola.

A Portela apresentou carros alegóricos bonitos, fantasias bem acabadas e muitas mulheres daquelas de levantar o sambódromo (a rainha da bateria, Adriana Bombom, no auge da forma, encabeçava a lista de beldades). Cavalos marinhos, recifes de coral, peixes, borboletas, golfinhos e pingüins apareceram em profusão. Os pontos altos foram o carro que trazia um gorila de dez metros de altura, representando a África e sua exuberância natural, e o que mostrava os efeitos dos abusos cometidos pelo homem: uma alegoria toda marrom, sem vida. Um buraco observado na metade final do desfile, provocado pelo atraso na entrada de um carro, pode prejudicar a escola.

Com o enredo sobre o Rio, o Salgueiro retratou a emoção que os portugueses sentiram ao chegar pela primeira vez à cidade. Este ano, a escola vermelha e branca apostou na irreverência e originalidade para contar as belezas cidade maravilhosa. Tanto que a comissão de frente trouxe portugueses que chegaram ao Brasil em uma banana boat e já enlouquecidos com o tempero da mulher brasileira. Com bastante luxo na avenida, escola apresentou um carro que representava o sol e contava com 500 metros de cabos com luz neon. Outra alegoria representou os Arcos da Lapa, símbolos da boemia carioca. A zona norte do Rio, região mais pobre da cidade, também esteve representada na última alegoria. Diretores da escola, vestidos com uniformes similares aos da Guarda Municipal, fizeram a festa e ajudaram a manter em cima a harmonia da escola.

As duas primeiras escolas do dia não empolgaram tanto. A Porto da Pedra aproveitou o centenário da Imigração Japonesa para fazer uma bonita, mas sem empolgação. Mais de mil descendentes de japoneses desfilaram na escola, fantasiados de samurais, ninjas, gatos da sorte e sushimen. Um dos mais belos carros era o que representava o bairro da Liberdade, reduto de japoneses em São Paulo. A São Clemente tentou, mas não empolgou as arquibancadas com enredo sobre os 200 anos da chegada da família real Portuguesa ao Brasil. A chuva forte que atingiu a cidade deu trégua no início do desfile.


Famílias deixam áreas de risco após deslizamento no Rio

fevereiro 4, 2008

Cerca de 300 famílias já foram retiradas de residências em áreas de risco de Itaipava, distrito de Petrópolis, na Região Serrana do Rio, onde fortes chuvas provocaram deslizamentos de terra que mataram nove pessoas e deixaram pelo menos 12 feridos no fim de semana. A Prefeitura de Petrópolis atribui a tragédia à ocupação desordenada dos últimos 30 anos.

– Deslizamento ocorreu com ocupação irregular, diz Cabral

De acordo com o comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Souza Viana, as remoções começaram na noite de domingo, 3, quando a Defesa Civil começou a analisar a situação dos imóveis da região dos deslizamentos. Os moradores estão sendo encaminhados a cinco abrigos improvisados no próprio distrito, sendo três escolas e duas creches.

O Corpo de Bombeiros encerrou as buscas. Quatro feridos permanecem internados, mas não correm risco de morte.

Uma das vítimas fatais, Fátima Maria Nicodemus, de 43 anos, foi soterrada dentro de seu carro após um deslizamento na Estrada do Gentio. Maria Isabel Conceição Silva, de 73 anos, e seu bisneto, Douglas Silva, de 5 anos, também morreram soterrados na mesma rodovia, após sua casa ter sido destruída.

Lilian Alice Rodrigues, de 39 anos, foi retirada morta dos escombros de uma casa no bairro de Madame Machado, um dos mais castigados pelos deslizamentos de terra. Érica Correia Santos Silva, de 21 anos e Maria do Carmo, de 50 anos, também morreram. Na localidade conhecida como Granja São Judas, morreram soterradas Josélia Cordeiro Pereira, de 27 anos e as crianças Maria Eduarda Cordeiro e Amanda Dias, ambas de 5 anos.

De acordo com a Defesa Civil, em meia hora o volume de chuva foi de 135 milímetros, o equivalente a três semanas de acúmulo de água.

Ainda segundo os Bombeiros, a previsão é de que as chuvas continuem pelo menos até a próxima quarta-feira, 6, porém com menos intensidade. A Rodovia BR-495, que liga Petrópolis a Teresópolis continua interditada, por conta de um afundamento da pista na altura do quilômetro 15, segundo informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF). A melhor opção para quem sai de Petrópolis com destino a Teresópolis é descer a serra até Magé e subir novamente pela BR-116.


Shanghai stocks jump as government steps in

fevereiro 4, 2008

Investors chase prices higher as official moves ease worries over excessive share supply.

The mainland’s key stock index jumped more than 8 per cent on Monday in its biggest daily rise since June 2005 after authorities intervened to halt a three-week slide in share prices….

Worst winter in 100 years for Hubei, Hunan

Some parts of China have seen their worst weather in 100 years this winter, with the recent snowfalls the biggest in that time, a meteorological official told reporters on Monday….

Sri Lanka train station death toll rises to 14

The number of people killed in a suicide bombing at Sri Lanka’s main railway station rose to 14 on Monday after two of the wounded died of their injuries, a hospital spokeswoman said….

Etiquetas: China, In South Chine Morning Post